Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Ainda se lembra das cassetes?

Se passou pelos anos oitenta já com alguma consciência, lembra-se, com toda a certeza, das cassetes. Sim, aquelas coisas das fitas magnéticas. Não, não são as VHS, essas são as de vídeo, são as mais pequeninas, as de música. Aquelas que podiam ter os álbuns das bandas acabadinhos de sair para o mercado ou, então, ser compradas virgens e ser gravadas com tudo e mais alguma coisa.

Entretanto, a tecnologia avançou e o tempo trouxe os CD's, os MP3's e outros gadgets até desembocar, nos dias de hoje, nos smartphones que servem para tudo e mais alguma coisa. Ora, por isso, as já citadas cassetes foram postas, primeiro, num canto lá de casa, depois, num caixote e, se tiveram a sorte de resistir à ida para o lixo, devem estar algures lá no sótão ou na garagem.

Se tem saudades desse tempo, ou melhor, se lhe apetece reviver esses tempos, é o momento ideal de ir em busca dessas cassetes e sacudir-lhes o pó e as teias de aranha, pois surgiu um gadget que volta a dar-nos música, utilizando essas mesmas cassetes. E é muito mais prático do que uma aparelhagem, um leitor de cassetes ou até um walkman.

2.jpg

Este pequeno e compacto "aparelhómetro" cumpre exemplarmente a sua missão, fazendo o mais básico dos básicos: reproduz a música (lendo a fita magnética enquanto roda os carretos que contêm a fita), aumenta e diminui o volume e avança e recua a fita mais rapidamente. Para além disso, é recarregável - via micro USB - e usa uma saída padrão de 3,5 mm para os headphones. Tudo fácil e minimalista.

3.jpg 

Só resta uma dúvida: haverá interessados ou, neste caso, o tempo já não volta atrás?

Promessa de um sono perfeito

Para alguns, adormecer é, diariamente, uma missão complicada. Seja pela azáfama da vida, pelas preocupações ou, simplesmente, pela dificuldade incontrolável em "desligar" do mundo. Quando se fala em dormir, na realidade da sua aceção - repousar, descansar, não fazer nada - o número dos que o faz sem dificuldades ainda diminui mais drasticamente. A quem é que nunca aconteceu acordar de manhã e sentir que esteve toda a noite numa contínua atividade? Pois é, o cérebro passou a noite em claro, nos seus afazeres, e o cansaço toma conta do corpo durante todo o dia, ansiando por umas horas de descanso.

A solução para este problema parece estar perto. Pelo menos é o que asseguram os criadores do Gravity Weighted Blanket (qualquer coisa como "cobertor acionado pela força da gravidade"), que promete ajudar o cérebro a "desligar-se" do mundo e a adormecer mais rapidamente, levando o corpo ao sono perfeito.

1.jpg

A forma de atingir o nirvana do descanso é simples. Projetado para ter 10% do peso corporal do utilizador, o cobertor distribui uniformemente a pressão em todo o seu corpo desencadeando uma expulsão de serotonina (responsável pelo estado de vigília de nosso cérebro e que, por isso, nos deixa em alerta), libertação de melatonina (elemento que faz desencadear o sono) e a diminuição dos níveis de cortisol no corpo (elemento controlador do stress), o que augurará um sono mais profundo e mais repousante.

O cobertor, feito num tecido muito macio, é 100% algodão e tem esferas de poliéster de alta densidade no seu interior. A capa exterior pode ser removida durante o tempo mais quente ou para lavagem.

3.jpg

Este será um cobertor pessoal e intransmissível, uma vez que o seu peso variará de acordo com o peso do seu utilizador.

Microsoft Surface Laptop, aquela máquina

A Microsoft apresentou a resposta ao Macbook da Apple, o novo Microsoft Surface Laptop, um portátil leve, muito fino e de design elegante.

1.jpg

Este portátil terá um ecrã de 13,5 polegadas FullHD que, segundo a marca norte-americana, é o mais fino LCD até agora criado num computador deste tipo. Para além disso, garante a sua extrema nitidez, fruto dos seus 3,4 milhões de pixeis, suportada pela tecnologia PixelSense.

2.jpg

Com um peso de 1,25 Kg, disponibilizará um CPU Intel Core i5 ou Core i7 e uma memória de armazenamento que poderá ir até 1TB SSD. O novo Surface será fabricado em 4 cores, terá um teclado em Alcântara e a sua bateria promete 14,5 horas de autonomia.