Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Ainda se lembra das cassetes?

Se passou pelos anos oitenta já com alguma consciência, lembra-se, com toda a certeza, das cassetes. Sim, aquelas coisas das fitas magnéticas. Não, não são as VHS, essas são as de vídeo, são as mais pequeninas, as de música. Aquelas que podiam ter os álbuns das bandas acabadinhos de sair para o mercado ou, então, ser compradas virgens e ser gravadas com tudo e mais alguma coisa.

Entretanto, a tecnologia avançou e o tempo trouxe os CD's, os MP3's e outros gadgets até desembocar, nos dias de hoje, nos smartphones que servem para tudo e mais alguma coisa. Ora, por isso, as já citadas cassetes foram postas, primeiro, num canto lá de casa, depois, num caixote e, se tiveram a sorte de resistir à ida para o lixo, devem estar algures lá no sótão ou na garagem.

Se tem saudades desse tempo, ou melhor, se lhe apetece reviver esses tempos, é o momento ideal de ir em busca dessas cassetes e sacudir-lhes o pó e as teias de aranha, pois surgiu um gadget que volta a dar-nos música, utilizando essas mesmas cassetes. E é muito mais prático do que uma aparelhagem, um leitor de cassetes ou até um walkman.

2.jpg

Este pequeno e compacto "aparelhómetro" cumpre exemplarmente a sua missão, fazendo o mais básico dos básicos: reproduz a música (lendo a fita magnética enquanto roda os carretos que contêm a fita), aumenta e diminui o volume e avança e recua a fita mais rapidamente. Para além disso, é recarregável - via micro USB - e usa uma saída padrão de 3,5 mm para os headphones. Tudo fácil e minimalista.

3.jpg 

Só resta uma dúvida: haverá interessados ou, neste caso, o tempo já não volta atrás?