Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Mirando Joan Miró

Miró.jpg

Ainda que o sol vá marcando presença nos nossos céus e que, por isso, apeteça um programa ao ar livre, não posso deixar de sugerir uma visita à exposição que junta as obras de Joan Miró, mostradas ao público pela primeira vez, na Casa de Serralves.

A exposição designada "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" integra obras de um período de seis décadas da carreira do artista catalão, de 1924 a 1981, e mostra de forma particular a transformação das linguagens pictóricas que o pintor começou a desenvolver em meados dos anos 20 do século passado, dando conta das suas metamorfoses artísticas nos campos do desenho, pintura, colagem e trabalhos em tapeçaria.

Um mergulho na floresta

Adepto confesso da vida marinha e amante, por inerência, de mergulho, não podia deixar de sugerir um dos melhores espaços para presenciar in loco este maravilhoso ambiente: o Oceanário de Lisboa.

1.jpg

 Contudo, hoje, a sugestão não passa diretamente pela visita à exposição permanente (mesmo que mais uma visita nunca seja demais), mas sim pela visita à exposição que neste momento está patente temporariamante naquele espaço. Falo de "Florestas Submersas by Takashi Amano", uma exposição que apresenta as florestas tropicais através de magníficos aquários.

A visita converte-se numa experiência muito estimulante sensorialmente, com os cheiros e os sons da floresta bastante presentes. Uma festa para os sentidos que alcança a plenitude quando se conjuga a visão do maior "nature aquarium" do mundo, com 40 metros de comprimento e 160 mil litros de água doce, com a música original, criada pelo músico e compositor Rodrigo Leão.

2.jpg

  Sem dúvida, uma experiência de contemplação, relaxamento, quietude e simplicidade.

Um novo espaço

A arquitetura sempre se constituiu um fascínio pela capacidade de reconstrução e reinvenção.

Adepto de casas com grandes espaços abertos, linhas direitas e muito "clean" no que diz respeito a adereços, desta vez, não pude deixar de reparar na reconstrução que foi feita num pequeno lote na Avenida da Boavista, no Porto, local de ruínas de uma antiga casa.

A nova Boavista House constitui-se num exemplo de sentido prático apurado, imperando um notável aproveitamento do (pouco) espaço disponível e da luminosidade do local. Conjuga-se, assim, num espaço acolhedor e em que as madeiras dão aquele toque de aprazibilidade característico do que é natural.

Um espaço minimalista onde nem falta um jardim interior.

fachada.jpg

 

sala.jpg

 

jardim.jpg

 

escadas_1.jpg

 

escadas.jpg

 

corredor.jpg

 

quarto_1.jpg

 

quarto.jpg

 

escritório.jpg

 

banho_1.jpg

 

banho.jpg

 

 

 

Adeus verão

Depois de uma semana com calor, frio e chuva à mistura, o melhor é aproveitar o que resta do verão e sair à rua para apanhar os últimos raios de sol da estação e dizer adeus às suas cores eletrizantes.

DSC03109.JPG

DSC03105.JPG

DSC03104.JPG

Este nosso tempo

Será que foi só a mim que me aconteceu sair, de manhã, de casa, a calçar

 

FRAZIER_28_RG.jpg

 Frazier | Aldo

  

 

e regressar com

GAMBARIE_26_RG.jpg  

 Gambarie | Aldo

 

nos pés?

Este nosso tempo...

Perspetivando o futuro

A Costa Rica passou a barreira dos 150 dias a utilizar só eletricidade proveniente de fontes 100% renováveis.

mundo-ecologico.jpg

 Alimentada, em grande parte, pela energia hidráulica, mas sem esquecer as energias geotérmica, solar e eólica, aquele país da América Central é um exemplo a seguir, provando que a preocupação ambiental nada tem a ver com o tamanho, a importância ou a riqueza de um país, mas sim com os seus valores, perspetivas de futuro e preocupação com o ambiente.

Efetivamente, um exemplo que muitos tardam em seguir.

Portugal, apesar de ainda não ser um modelo no que toca às questões ambientais, não se pode deixar de dizer que fez muitos progressos relativamente ao desenvolvimento das energias renováveis.

Um dos reflexos dessa mesma preocupação com as energias limpas, é o número cada vez mais elevado de automóveis elétricos que circulam pelas estradas do nosso país.

Este tipo de veículos são cada vez mais um investimento seguro para todos os que se preocupam com o meio ambiente, mas, principalmente, com os gastos inerentes às suas deslocações diárias. Se as voltas do dia a dia perfizerem um total inferior a 150-200 Km, está-se a falar de um gasto diário na ordem dos 1 a 2 Euros, um valor muito abaixo do que se pagaria se se usasse um carro movido a gasolina ou a gasóleo.

Neste cenário, um dos veículos a ter em conta é o Kia Soul EV.

Um automóvel cujo design arrojado não vai deixar ninguém indiferente à sua passagem.

galeria-exterior-02.jpg

100% elétrico, este é um carro que responde bem aos desafios da cidade. Apesar da sua velocidade máxima reduzida (145Km/h), tem a força e a genica necessárias para as fazer face às tropelias do trânsito, respondendo prontamente ao pé no acelerador, graças ao seu binário e poder de aceleração.

Soul-EV-Galeria-Interior-2.jpg

No seu interior, reina a luz e a simplicidade num ambiente acolhedor e simples.

Um carro jovem, moderno, económico e... verde.

Uma visita ao arquivo de Álvaro Siza Vieira

Siza.jpg

Este domingo terá um sabor especial!

Não por ser domingo, mas porque o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, vai apresentar, numa exposição, desenhos, maquetas, cartas e atas de reuniões alusivos à criação e construção de algumas das obras mais conhecidas e conceituadas de um dos arquitetos portugueses mais consagrados, Álvaro Siza Vieira.

Um programa cultural diferente e enriquecedor, para além de único.

Imagem: Álvaro Siza. Esquissos Museu de Serralves

Um quente nostálgico

O verão não dura para sempre e o outono está aí.

Com um ar simples, mas bastante elegante, eis uma peça leve para resguardar dos primeiros arrepios trazidos pela descida da temperatura.

 

camisa.jpg

 

camisa1.jpg

 camisa2.jpg

 Sobrecamisa Camurça Vintage | Massimo Dutti

Vamos vindimar?

Setembro traz, para a maioria das pessoas, o regresso ao trabalho, depois das tão aguardadas férias de verão. Todavia, o que a maior parte das pessoas não recorda é que este é, também, o mês das vindimas. Um lapso de memória que resulta do recente afastamento da ruralidade.

vindima_1.jpg

 Para muitos, a vindima é uma atividade que nada diz, mas, para outros, faz renascer memórias antigas, talvez dos tempos de uma juventude que era marcada pelo regresso à aldeia para a azáfama das vindimas e do fabrico do vinho.

vindima.jpg

 

 

 

Pois, é para todos, para os que nunca saborearam o gosto da vindima e para os que sentiram o bichinho do passado reanimado dentro de si, que fica uma sugestão: um fim de semana no Douro, uma região ligada, há vários séculos, ao vinho e que guarda e faz revigorar a tradição para que esta não se perca.

 

 

 

 

 A oferta é, por estes dias, muita e variada, mas o Douro Royal Valley é uma excelente opção.

Trata-se de um Hotel & SPA que alia tradição, charme e requinte e permite usufruir de todas as comodidades dos nossos dias num regresso aos tempos de antigamente.

DouroRoyalValley.jpg

 Eu vou indo...

... de cesta numa mão e de mala na outra.

Nas asas do vento

 

BMW_nineten.jpg 

 Viajar é ótimo para todos. Mas viajar de mota é uma preleção apenas para alguns.

Ora se juntarmos a este prazer um verdadeiro ícone das duas rodas, a emoção aumenta, o desejo extravasa e só falta mesmo partir de cabelos ao vento.

Para assinalar os seus 90 anos, a marca da Baviera lançou um docinho: a BMW R Nine T. Uma mota robusta, de desenho leve, preenchida por uma alma cheia. Não será certamente uma mota para todos, mas acelerar nesta BMW é um prazer que os amantes das verdadeiras duas rodas deveriam experimentar.

É difícil passar para palavras o que se sente, por isso o melhor é experimentá-la. Tenho a certeza de que ninguém se vai arrepender.

Pág. 1/2