Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

Eu vou indo

Porque alguém tem de ser o primeiro a explorar, ver ou partir para se poder chegar, conhecer ou usufruir. Eu vou indo...

27 de Março, 2020

Assim, a luxúria não é pecado

1.jpg

Bem sei que talvez não seja muito cordial acenar com um passeio de mota por estes dias. Todavia, esta situação não se vai manter para sempre e, em contraposição, apenas serão 10 os eleitos para se pôr ao guiador desta maravilha de duas rodas. Assim sendo, pode-se muito bem apreciar. E vale bem a pena.

Numa homenagem à mítica BMW R7, de 1934, nasceu esta edição (muito limitada) comemorativa do seu 85.º aniversário. Assente numa BMW R nine T,  e apelidada de "Nostalgia", a maior parte das peças que dão forma a esta mota são originais e construídas à medida. Uma construção que inclui luxos como painés em platina com detalhes em ouro rosa, um assento em pele da Louis Vuitton e um relógio Cartier sob o depósito de gasolina. Todos os pormenores somados, foram precisas 4000 horas para se chegar a este produto final.

Quem não gostaria de dar uma volta?

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

6.jpg

25 de Março, 2020

Dr. Martens 1460, rebeldia intocável

1.jpg

Foi há 60 anos que Martens lançou as suas primeiras botas, de seu nome 1460. Desde então, dificilmente haverá outro calçado que tenha ficado mais ligado a movimentos culturais - principalmente de rutura - do que este.  

Numa ode às origens, com aquele toque de rock, de punk, de bad boy, as Dr. Martens 1460 Remastered mantêm o aspeto das botas originais, mas agora pontuadas por aquele toque característico das datas festivas.

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

23 de Março, 2020

Isolamento? Visitemos museus... virtualmente!

Diapositivo1.JPG

Apesar de encerrados em casa por uma pandemia que espreita os incautos do lado de lá da porta, não podemos deixar que o "bichinho" sinta que apaga qualquer uma das nossas capacidades.

Não podemos (nem devemos) sair de casa? Visitemos alguns dos mais famosos e apetecíveis museus espalhados por esse mundo fora.

Graças ao Google Arts & Culture temos acesso à arte em mais de 500 museus do mundo. Sim, estão (quase) todos lá. Não haverá horas para ver tudo, mas a vontade impera e, nem que se espreite ao de leve, entramos e olhamos.

A arte à distância de um clique. A arte do distanciamento social.

Mais um ponto para a derrota do "bicho". Não nos matará, nem que morramos.

16 de Março, 2020

Brincadeiras em família

1.jpg

Para quem tem crianças e tem de ficar em casa, uma das tarefas mais difíceis é garantir um bom dia em família, sem birras e com o mínino de confusões possível.

Poder-se-á optar pelos entretenimentos dos nossos dias: s televisão, filmes, tablets, consolas, televisão e afins. Dir-se-ia que um pouco de tudo não fará mal...

Todavia, como se avizinham tempos difíceis e demorados, eis algumas outras sugestões bem diferentes das banais tecnologias, mas que poderão proporcionar momentos de prazer e muito boa disposição.

1. Os banais, esquecidos e empoeirados jogos de tabuleiro.

2. Um belo puzzle.

3. Gosta de construção? Legos ou outros blocos, pois então.

4. Um baralho de cartas traz incluídos vários jogos: burro, bisca, keims, guerra, solitário, peixinho, memória...

5. Com caneta e papel: jogo do galo, forca, STOP (as categorias são muitas e variadas - nomes de pessoas, países, cidades, animais, plantas, árvores, frutos, objetos, ...), minhoca (um jogador escreve uma palavra num papel e o(s) outro(s) têm de escrever uma nova palavra começada pela última letra - quanto mais letras incluir na nova palavra, mais difícil será!), crucigrama (escolhem um tema e escrevem palavras relacionadas, usando o sistema das palavras cruzadas - as novas palavras cruzam-se, usando as palavras já existentes), ...

6. Um pouco mais de movimento? Vamos à caça ao tesouro. Basta espalhar uns objetos pela casa e fazer um mapa para, depois, os encontrar. 

7. Fazer um desenho a duas (ou mais) mãos. Numa folha, cada um desenha, à vez, novos elementos até perfazer o desenho... perfeito.

Mais sugestões? Venham daí. Vamos indo...

12 de Março, 2020

Será possível caminhar com a sensação de pés nas nuvens?

1.jpg

A adidas concebeu os seus sapatos de caminhada Terrex Free Hiker Parley sob o ideal de "aventura sustentável".

Conseguiu-o? Parece-me que sim.

Comecemos pelo fim. Tal como a moda (e o ambiente) o exige(m) garantem a sustentabilidade,  uma vez que são fabricados com resíduos plásticos reciclados que, acrescenta a marca, são intercetados nás áreas costeiras, antes de chegarem aos oceanos.

A aventura chega indiretamente, pois com estes sapatos nos pés estamos preparados para, também como afirma a marca alemã, escalar as montanhas mais altas e percorrer a linha costeira. Acrescento que, também, estamos prontos para caminhar por campos, florestas e espaços urbanos, tal é o conforto que proporcionam - pela sua tecnologia de amortecimento Boost -, segurança de tração - a sua sola é de borracha Continental - , conforto - a construção em Primeknit garante a leveza e a respirabilidadee dos pés - e o estilo que conferem a quem os calça.

2.jpg

3.jpg

4.jpg

10 de Março, 2020

Uma mala ou um armário de mão?

1.jpg

Para quem viaja, o prazer (ou a obrigação) de viajar fica, muitas vezes, refreado pelo ritual de fazer ou desfazer as malas. 

Pensando nisso, a Solgaar criou uma mala, que, na verdade é um armário de mão, que facilita a sua arrumação e desarrumação através de um sistema de gavetas, que permite a organzação das roupas e dos objetos em compartimentos, comprimindo-os, depois, para caberem aí dentro.

Na chegada ao destino, é só abrir a mala e, como se estivéssemos em casa, abrir uma gaveta e puxar o que queremos. Fácil, não é?

Outra das mais valias desta mala é que garante a sustentabilidade do planeta, já que é feita a partir de plástico recolhido nos oceanos.

Não são precisos motivos para viajar, mas este é só mais um.

05 de Março, 2020

Bentley Mulliner Bacalar, puro ouro

1.jpg

Há carros que são só para nos babarmos por.

Ah, o impossível não existe, atiram muitos. Basta sonhar, acrescentam outros. Pois! Com os pés bem fincados na realiadade, quem me dera ser um dos apóstolos (vão ser apenas 12 as unidades desta máquina) deste profeta. Segui-lo-ia (nele) para todo o lado.

Babemo-nos então... 

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

Pág. 1/2